h1

“Seize the day boys, make your lives extraordinary.”

20 January 2008
Dead-Poets-Society.jpg
” They’re not that different from you, are they? Same haircuts. Full of hormones, just like you. Invincible, just like you feel. The world is their oyster. They believe they’re destined for great things, just like many of you, their eyes are full of hope, just like you.
Did they wait until it was too late to make from their lives even one iota of what they were capable? Because, you see gentlemen, these boys are now fertilizing daffodils. But if you listen real close, you can hear them whisper their legacy to you.Go on, lean in. Listen, you hear it? – – (whisper) Carpe – – hear it? – – (whisper) Carpe, carpe diem, seize the day boys, make your lives extraordinary. “

Hoje decidi começar com esta cotação do filme Dead Poets Society, com Robin Williams. Ontem ao escrever um texto para um amigo é que pus-me a pensar nisto de aproveitar o dia. Às vezes a correria do dia-a-dia faz-nos esquecer isto. Talvez seja este o mal de muitos, e não me excluo.

Os nossos planos, esforços e conquistas tornam, sim, a nossa vida extraordinária e ficam sem dúvida marcados na memória. Mas não são só os grandes feitos que são extraordinários, muito pelo contrário. Não é o lembrar da nossa excelente nota a matemática ou da nossa vitória numa competição que nos põe aquele sorriso tímido no rosto, e sim a lembrança daquele almoço, daquela tarde, daquela noite. Ou até daquele tralho nosso ou de outro amigo qualquer (sejamos sinceros!). É nestas alturas que paramos e pensamos “Sim, eu aproveitei, eu vivi”.
O mundo é tão grande, de horizontes tão largos, com tantas oportunidades, que por vezes deixamo-nos levar e tentamos agarrar tudo de uma vez. Surpresa! – acabamos por não agarrar nada. E então o que é que fica? As oportunidades existem, e existem para ser agarradas, sim. Mas uma de cada vez, cada uma a seu tempo, sem medo de se arrepender, sem medo de se magoar, por mais que seja difícil.

Então sai pela porta da frente, desfruta, suja-te, cai e levanta-te logo depois, mais do que uma vez até, quantas vezes forem precisas. Ri, chora e reflecte também, não deixa nunca de ser preciso. É a nossa vida, somos nós quem a escrevemos.

Para terminar, uma tira da banda desenhada Calvin & Hobbes, de Bill Watterson, que encontrei e achei apropriada. (:

Calvin & Hobbes
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: