Archive for January, 2008

h1

Publicidade Criativa = Sucesso Garantido

30 January 2008

3m-security-glasses.jpg

 

Esta é uma brilhante e inteligente campanha publicitária que visa divulgar o novo vidro de segurança da empresa 3M.

O painel Security Glass, recheado de dinheiro (verdadeiro?), foi colocado perto de uma paragem de autocarro no Canadá, em Vancouver, um lugar bastante movimentado, de forma a que não passasse despercebido. Mas o ‘quê’ de genial desta campanha não foi só a intenção de promover o produto, e sim observar a reacção das pessoas – que não foi indiferente: muitos, tentando pôr as suas mãos em tanto dinheiro, tentaram inúmeras vezes de inúmeras formas quebrar o vidro, alguns com violentos pontapés, murros e até com tacos de golfe ou baseball. Tentativas inúteis, obviamente.

3mglass3.jpg

Conclusão final: funciona.

Objectivo: alcançado.

Bónus extra: cobertura maciça da TV canadense, que mostrou vídeos e imagens das tentativas frustradas das pessoas de chegar ao dinheiro, dando fama mundial à campanha.

E isto tudo sem perder todo aquele dinheiro!

 

 

h1

“Seize the day boys, make your lives extraordinary.”

20 January 2008
Dead-Poets-Society.jpg
” They’re not that different from you, are they? Same haircuts. Full of hormones, just like you. Invincible, just like you feel. The world is their oyster. They believe they’re destined for great things, just like many of you, their eyes are full of hope, just like you.
Did they wait until it was too late to make from their lives even one iota of what they were capable? Because, you see gentlemen, these boys are now fertilizing daffodils. But if you listen real close, you can hear them whisper their legacy to you.Go on, lean in. Listen, you hear it? – – (whisper) Carpe – – hear it? – – (whisper) Carpe, carpe diem, seize the day boys, make your lives extraordinary. “

Hoje decidi começar com esta cotação do filme Dead Poets Society, com Robin Williams. Ontem ao escrever um texto para um amigo é que pus-me a pensar nisto de aproveitar o dia. Às vezes a correria do dia-a-dia faz-nos esquecer isto. Talvez seja este o mal de muitos, e não me excluo.

Os nossos planos, esforços e conquistas tornam, sim, a nossa vida extraordinária e ficam sem dúvida marcados na memória. Mas não são só os grandes feitos que são extraordinários, muito pelo contrário. Não é o lembrar da nossa excelente nota a matemática ou da nossa vitória numa competição que nos põe aquele sorriso tímido no rosto, e sim a lembrança daquele almoço, daquela tarde, daquela noite. Ou até daquele tralho nosso ou de outro amigo qualquer (sejamos sinceros!). É nestas alturas que paramos e pensamos “Sim, eu aproveitei, eu vivi”.
O mundo é tão grande, de horizontes tão largos, com tantas oportunidades, que por vezes deixamo-nos levar e tentamos agarrar tudo de uma vez. Surpresa! – acabamos por não agarrar nada. E então o que é que fica? As oportunidades existem, e existem para ser agarradas, sim. Mas uma de cada vez, cada uma a seu tempo, sem medo de se arrepender, sem medo de se magoar, por mais que seja difícil.

Então sai pela porta da frente, desfruta, suja-te, cai e levanta-te logo depois, mais do que uma vez até, quantas vezes forem precisas. Ri, chora e reflecte também, não deixa nunca de ser preciso. É a nossa vida, somos nós quem a escrevemos.

Para terminar, uma tira da banda desenhada Calvin & Hobbes, de Bill Watterson, que encontrei e achei apropriada. (:

Calvin & Hobbes
h1

Bohemian Rhapsody acapella

16 January 2008
Vale a pena ver, muito original. Interpretado por UC Men’s Octet. (:
h1

We are what we listen to

12 January 2008

This week, I read in a Portuguese magazine, called ‘Super Interessante‘ – a magazine which has various articles about various areas, like science, tecnology, culture, society, history and nature – from January/2008, an article that caught my eye (the website given is from the magazine’s brazilian edition). It was in the ‘Behaviour’ section, and I found it really interesting – pretty ironic, since the translation of this magazine name is ‘Very Interesting’. Hah!

Anyway, it talked about a recent study in the field of neuromusic which supports that the type of personality of people can be defined by the style of music they prefer to listen to. According to the American psychologist Sam Gosling , from the University of Texas, who based his study in a test – STOMP – applied to hundreds of people, the personality of people show some characteristic traces according to their music preferences. These are the main diferences he established (more generally):

  • Reflective & Complex: Classical, Blues, Folk and Jazz.
  • Intense & Rebellious: Alternative, Rock and Heavy Metal.
  • Upbeat & Conventional: Country, Religious, Pop and Soundtracks/theme songs.
  • Energetic & Rhythmic: Dance/Electronic, Rap/Hip Hop and Soul/Funk.

But there is much more to know about our musical preferences. The British psychologist Adrian North, from the University of Leicester, made a detailed research in 2006 over more than 2500 people chosen randomly. The questionnaire had various questions – not just about musical tastes but also about daily habits, relationships, income… The magazine gives interesting details about the statistics, like:

  • Those who love opera music tend to be dangerous when driving and are, in majority, married. They are also liberal, smart, with high education levels and higher income than the average. And they prefer wine better than beer.
  • Rockers have more tendency than the average to declare themselves as atheists. They are active and adventurous. The lovers of the rock of the 60’s are more prejudiced by unemployed than the others, but that is probably related to their average age. As far as those who listen heavy metal, they usually are curious, intelligent, athletics and confident of themselves.
  • Fans of pop music are considered to be happy, generous, predictable and conservative. They usually are considered to be attractive people as well.
  • Those who like musical films and soundtracks usually prefer wine better than beer too. More, they are the ones who smoke less.
  • Those who like hip hop music are fewer enthusiasts of recycling and of renewable energy sources. However, they are extrovert and energic people, with a high self esteem.
  • The fans of electronic music like to practice sports and exercise regularly. More, they are the ones who travel the most.
  • Single people listen to more DJ, hip hop, dance and house music, but when they get into a steady relationship, they gradually start to appreciate country, blues, pop and classic music.

Funny, heh? (:

Our musical taste gets more ’solid’ between 16 and 24 years old, according to North. But of course, it isn’t the same through our life. As far as we get older, our taste becomes more and more sophisticated, as our brain has already heard more music and is able to ‘enjoy’ more complex sounds. Nevertheless, it’s pretty rare to find someone who loves to listen to Britney Spears, Lindsay Lohan or so, and instantly changes it for Beethoven and Brahms.

There are other theories about how music influences us. But if I talked about all I’ve already heard, I wouldn’t leave my computer today. Ahah!

It may sound a bit preconceptious to label someone by their favourite music genre. But if we look closely, when people meet each other for the first time, one of the most likely subject to talk about is music. By knowing the other’s preferences, we instantly identify ourselves with that person or not. And that, surely, is crucial. There are actually social websites based on that fact, like last.fm.

So, see if these personality caracteristics really match yours. (:

h1

Paraíso Perdido

12 January 2008

Como tinha prometido, algumas fotografias do Paraíso Perdido (nome que realmente não foi dado ao acaso!). Mais informções sobre o local aqui.

paraisoperdido3.jpg

paraisoperdido2.jpg

paraisoperdido1.jpg 

Agora é que as saudades apertam… ahah! Enjoy! (:

h1

2008

3 January 2008

Mais um ano passou, mais um ano chegou. Muito sinceramente, não vejo nenhuma diferença entre o último dia de 2007 e o primeiro de 2008: é apenas mais um dia. A grande diferença é, talvez, a energia renovada. Há a tendência de se ver um novo ano como um novo começo, com as famosas ‘New Year’s resolutions’. Por um lado, é um tanto ilógico. Quero dizer, porque esperar um novo ano para uma mudança só porque o calendário dita que é o começo de um novo tempo? Revolução e mudança não precisam de hora e dia marcados. De qualquer maneira, isso não deixa de ser um incentivo àqueles que procuram algo de novo, por algum lado há que começar. E soa bonito ser no primeiro dia do ano. Pessoalmente, para as minhas resoluções de ano novo tenho como tópico único e principal a continuação de tudo o que tenho vindo a programar, sem desanimar nem deixar nada por fazer. E talvez não faltar tanto às aulas de natação, ok.

Quanto à festa de passagem de ano, não foi nada de especial. Estive no rancho com a família e acabamos por ir para o rancho vizinho depois da meia-noite fazer uma pequena festa improvisada. Foi bom! Aqui no Brasil há o costume de se vestir de branco no reveillon. Aqui associam-se as cores a diferentes desejos: verde, esperança; azul, tranquilidade; cor-de-rosa, amor; vermelho, paixão, etc etc. O branco, no caso, corresponde a paz. É claro que a maioria se veste de branco mais por questão de costume do que propriamente pelo desejo de paz. Se bem que, mesmo parecendo banal desejar paz, no fundo não o é. Afinal, quem se encontra em perfeita paz consigo mesmo? O dia seguinte à festa de ano novo foi passado numa incurável preguiça. Normal, há que recuperar-se da festa. (:

Ontem fui com uns familiares de Brasília ao ‘Paraíso Perdido’, um sítio próximo do rancho onde estávamos que tem várias cascatas. A experiência foi indescritível… Haviam sítios que lembravam paisagens de revistas de agências de viagens, o que parece impossível de existir. Mas para chegarmos a várias cascatas tinhamos de passar por sítios que à primeira vista dão bastante medo: dificeis de ‘escalar’, com pedras escorregadias. Uma boa dose de coragem foi indispensável nessas alturas. Mas depois a vista e a sensação de ‘we did it!’ eram bastante recompensantes. Bastante. Tirei algumas fotos, não de tudo no entanto – houve uma altura que deixei a minha máquina fotográfica com alguns do grupo que decidiram não arriscar, porque era um bocado arriscado levá-la comigo, e por isso não pude tirar fotos de algumas cascatas. De qualquer maneira, tenho algumas, o que já não é mau. Quando passá-las para o computador, ponho aqui algumas no próximo post.

De resto, nada de mais por agora. Depois de amanhã já vou voltar para a terrinha, retomar a rotina, rever os amigos e os pais, que as saudades já apertam e o dever me chama. Se bem que estas férias vão deixar saudades. E quantas…

Um bom ano para todos! (: