h1

1/2

4 June 2009

Meio cheio, meio vazio
Meio sentido
Meio vivido

Um projecto
Bonito na teoria, traços limpos e precisos
mas estamos a três dimensões, quem me diz que os traços ficam de pé? Quem me garante?

A voz quer sair, mas está rouca, fica a meio
Metade fica por vir cá para fora, e a outra metade mostra só um reflexo
É tudo uma prova, um jogo de reflexos
E neste jogo de reflexos a certeza incerta me distrai

Lê-me, vasculha-me por dentro e deixa a luz entrar, está abafado aqui dentro…
Bem me dizem que ela está lá fora e que a chuva finalmente já se foi, o dia brilha como nunca
Só que ficou a meio do caminho

h1

Perfect

31 May 2009

Sometimes, it’s never quite enough.
If you’re flawless, then you’ll win my love.
Don’t forget to win first place!
Don’t forget to keep that smile on your face…

(Alanis Morissette, Perfect)

h1

Walking on sunshine

1 March 2009

Paro para pensar, e olho à minha volta. Vejo no vazio do meu pensamento uma aurora, um despertar cheio de energia e luz, como se fosse um lento e preguiçoso despertar.

Está um belo dia de sol e sinto-me viva, sinto-me aberta para a paixão pela vida e por tudo adjacente a ela. Habituei-me a esta felicidade inconsequente, incompleta e incompreensível. A felicidade não é para ser compreendida, é para ser saboreada, para ser dançada ao ritmo do momento inesperado e fugaz. Uma dança em câmara lenta que enfeitiça, que toma o nosso corpo, entorpece a nossa mente, que fecha os olhos e abre a visão. Sedutora. Viciante.

Deixo-me seduzir, deixo-me ser guiada, caminho em direcção ao que me chama, absorvida pela realidade da minha ilusão.
I’m walking on sunshine.

h1

“Para ser grande”

13 November 2008

Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.

Sê todo em cada coisa.
Põe quanto és
No mínimo que fazes.

Assim a cada lago a Lua toda
Brilha, porque alta vive.

(Fernando Pessoa)

furnas1

[A foto foi tirada em Furnas, um pedacinho brasileiro do céu :) ]

h1

Estação

2 September 2008

E assim, chegar e partir
São só dois lados da mesma viagem
O trem que chega
É o mesmo trem da partida

A hora do encontro
É também despedida
A plataforma dessa estação
É a vida desse meu lugar

(Encontros e Despedidas, Milton Nascimento)

Já dizia o mestre Nascimento. A gente entra e sai da vida das pessoas, as pessoas entram e saem da vida da gente.

Me disseram há muitos anos atrás que a dor da despedida diminui com o tempo, que a gente se acostuma. Já me acostumei a dizer adeus, mas ainda não me acostumei à despedida.

Realmente, o ‘para sempre é sempre por um triz’. Mas quanto tempo afinal dura um tchau? Onde começa o fim?

h1

Exames Nacionais 2008

8 July 2008

Pois é… Chegam até a ser ridículas as tentativas frustradas do Ministério em mostrar melhores estatísticas.

h1

O Caderno

28 May 2008

Sou eu que vou seguir você
Do primeiro rabisco até o be-a-ba
Em todos os desenhos coloridos vou estar
A casa, a montanha, duas nuvens no céu
E um sol a sorrir no papel
Sou eu que vou ser seu colega,
Seus problemas ajudar a resolver
te acompanhar nas provas bimestrais você vai ver
Serei de você confidente fiel,
Se seu pranto molhar meu papel
Sou eu que vou ser seu amigo,
Vou lhe dar abrigo, se você quiser
Quando surgirem seus primeiros raios de mulher
A vida se abrirá num feroz carrossel
E você vai rasgar meu papel
O que está escrito em mim
Comigo ficará guardado, se lhe dá prazer
A vida segue sempre em frente, o que se há de fazer
Só peço a você um favor, se puder:
Não me esqueça num canto qualquer

O Caderno, Toquinho e Vinícius de Moraes